SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.54 número2 índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

    Links relacionados

    • Em processo de indexaçãoCitado por Google
    • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

    Compartilhar


    Ciência e Cultura

    versão On-line ISSN 2317-6660

    Cienc. Cult. v.54 n.2 São Paulo out./dez. 2002

     

     

    AQÜICULTURA

    Manguezais e a produção de camarões

     

    A expansão das fazendas de camarões no litoral brasileiro tem sido apontada como a causa de destruição dos manguezais, levando entidades ambientalistas a pressionar as autoridades governamentais a deter a expansão dessa atividade econômica no Nordeste. O Brasil detém a maior área de manguezais do mundo, atingindo 1,37 milhão de hectares.

    Marcos Rogério Câmara, pesquisador da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, argumenta que a carcinicultura desenvolve-se em áreas de baixo impacto ambiental, como terrenos salgados e tabuleiros arenosos. Ele atribui ao despejo de lixo e esgoto urbano e industrial a maior responsabilidade pela destruição dos manguezais na região.

    Para Raúl Malvino Madrid, coordenador geral de Aqüicultura do MAPA, essas propriedades são muito mais sustentáveis do que acusam os ambientalistas e representam um opção econômica para as populações locais. Madrid acrescenta que o Brasil tem potencial para se tornar o maior produtor mundial de camarões marinhos cultivados do mundo: extenso litoral (8,5 mil km) e condições ambientais excelentes para a criação do Litopenaeus vannamei, principal variedade adaptada no país.

    Para o coordenador, um dos entraves para o desenvolvimento desse setor é a legislação, que coloca o cultivo de camarão marinho na ilegalidade. Em resolução aprovada pela Coordenadoria Nacional do Meio Ambiente, foram incluídas as áreas arenosas na definição de manguezal. Segundo Madrid, trata-se do entorno do mangue, mas a decisão torna ilegais os 8,5 mil ha em produção de camarões no litoral nordestino e impede a implantação de novos empreendimentos.

    Os países asiáticos, maiores produtores de camarões e os que mais destróem os mangues, segundo a especialista filipina, Jurgenne Primavera, buscam soluções ambientais de convivência para não comprometer a marca anual de 750 mil toneladas de camarão. A especialista expôs, em palestra do Congresso Mundial de Aqüicultura realizada em abril deste ano, na China, os números da devastação: na Tailândia foram desmatados 65,2 mil ha de manguezais para o cultivo de camarão; no Vietnam, 102 mil ha; e, em Bangladesh, 6,6 mil ha.