SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.55 número1 índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

    Links relacionados

    • Em processo de indexaçãoCitado por Google
    • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

    Compartilhar


    Ciência e Cultura

    versão On-line ISSN 2317-6660

    Cienc. Cult. v.55 n.1 São Paulo jan./mar. 2003

     

     

    DIRCEU VILLA

    NON SEMPER ERIS
    DE NEMESIANUS

    Nem sempre serás:
    o chão perde a grama,
    as plantas perdem as flores,
    as rosas perdem os espinhos
    e os lírios voam ao vento;
    as vinhas não duram vergadas de uvas
    e não dura a sombra das pessoas
    contra a luz do sol.

    O ESPÍRITO DE ÉPOCA

    E eis que o espírito de época
    apareceu para mim
    nas plumas de um grande pavão
    (que eu pensei ser de Yeats):
    algumas pareciam círios,
    outras abriam um leque
    em torno do enorme traseiro,
    e, sobre o crânio minúsculo,
    o que aparecia uma auréola
    casta, sagrada e eterna.
    Mas com a língua pra fora
    de bico entreaberto,
    disse apenas:
    "Vem aqui e me come".

    QUASE ISSO

    Dizem que Goethe pediu mais luz,
    Mehr Licht, no momento da morte.
    Mas, como resposta,
    Apenas abriram as janelas.

    OCEANO

    Quando os homens puseram os barcos
    altos e curvos sobre o monstro-mar e as ondas
    se abriam em par sob a quilha e turbilhões
    de espuma borbotavam nos flancos do navio
    e os mastros esternavam num ronco seco e
    a madeira estalava como uma floresta ainda
    viva os homens não sabiam não faziam idéia
    de que o mundo se mantinha sem beiradas
    sem aparos era o mundo um horizonte curvo
    além do que se vê além do que se vive além

    FRAGMENTA SAPPHICA

    Chumbo encobre
    O ouro da manhã
    Flores para mim mesma.

    Flores para mim mesma.

    E MAIS UMA ARTE POÉTICA

    A técnica vem em primeiro lugar;
    a precisão em segundo;
    a potência bem mais tarde –

    – de um livro sobre
    como jogar tênis.

     

     

    Dirceu Villa nasceu em 1975, em São Paulo. Publicou seu primeiro livro de poemas, MCMXCVIII, aos 23 anos; seu segundo livro de poesia, Descort, ganhou o prêmio Nascente de melhor livro de poesia, em 2000. Está terminando sua tradução de Lustra, de Ezra Pound, para seu mestrado na Universidade de São Paulo.