SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.58 issue1 author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

    Related links

    • On index processCited by Google
    • Have no similar articlesSimilars in SciELO

    Share


    Ciência e Cultura

    On-line version ISSN 2317-6660

    Cienc. Cult. vol.58 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2006

     

     

     

    NOVA SÍNDROME

    Difícil diagnóstico: sintomas comuns e causas desconhecidas

     

    A sensação de olhos secos (xeroftalmia) ou de boca seca (xerostomia) pode indicar uma infinidade de ocorrências, internas ou externas, ao paciente. Os sintomas podem ser sinal de poluição, de cansaço, de exposição excessiva a ambientes com ar refrigerado, de algum problema oftalmológico ou até de glicemia. Se associados, podem indicar um mal maior, ainda de difícil diagnóstico: a síndrome de Sjögren (SS), uma doença rara e pouco conhecida. Apesar de ter sintomas relatados ainda no século XIX, a Sjögren foi identificada pela primeira vez em 1933 pelo oftalmologista Henrik Sjögren, cujo sobrenome a batizou.

    A Sjögren é uma doença auto-imune que ocorre quando os linfócitos (um tipo de glóbulo branco) invadem as glândulas exócrinas. É o caso das glândulas lacrimais, salivares, sudoríparas e outras. "O linfócito invade o interior das glândulas, impedindo-as de exercer suas funções, quais sejam, a de lubrificar os olhos e produzir saliva", explica o pesquisador da PUC-RS, Carlos Alberto Von Muhlen.

    INVESTIGAÇÕES De acordo com o pesquisador, a síndrome de Sjögren é dividida em dois tipos para facilitar seu estudo: a primária, quando não se associa a nenhuma outra enfermidade, e a secundária, quando está associada a outras doenças, como artrite reumatóide, lupus eritematoso sistêmico, polimiosite, esclerose sistêmica, entre outras.

    A pesquisadora Silvana Pereira Giozza, da Universidade Estadual da Paraíba (UEP), explica ainda que existem evidências de influência genética relacionadas à Sjögren, mas não há nada comprovado. Silvana estudou em seu doutorado, defendido em 2002, na Universidade Federal da Bahia (UFBA), a associação do vírus HTLV-1 que é endêmico em Salvador.

     

     

    INCIDÊNCIA Estima-se que a síndrome de Sjögren ocorra em 0,5% da população dos Estados Unidos, 2,1% na Dinamarca, 2,7 % na Suécia. Acredita-se ainda que a síndrome incida em pelo menos 20% dos pacientes com artrite reumatóide (mal que acomete 0,6% da população). No Brasil, a estimativa é de 600 mil pessoas com artrite reumatóide e 20% desses casos (120mil pessoas) com SS. "Adicione-se a isso aqueles pacientes com a forma primária da doença, teríamos no mínimo, cerca de 150mil pessoas portadoras da Sjögren hoje no Brasil", informa Muhlen. Para ampliar a divulgação sobre a SS, foi criada uma associação de pacientes chamado Lágrima Brasil, que tem um site recomendado pelos especialistas: http://www.lagrima-brasil.org.br/

     

    Sabine Righeti